terça-feira, 15 de junho de 2010

Dunga na intimidade e com a família


Mais difícil do que entender a escalação de Dunga é traçar um perfil do técnico da seleção brasileira. Arredio com a imprensa, Dunga proibiu até mesmo sua família de falar com jornalistas. Ninguém atende telefonema de número desconhecido e todos estão evitando sair de casa. As poucas pessoas que driblam o esquema ditatorial de Dunga revelam algumas curiosidades.

Carlos Caetano Bledorn Verri nasceu no dia das bruxas de 1963 e recebeu o apelido que o fez famoso de seu padrinho, Emídio Perondi, ex-vice-presidente da CBF e um dos melhores amigos de Ricardo Teixeira, o presidente da instituição. Dunga, que na infância era gordinho e tinha pernas tortas, é casado há 25 anos com a socióloga Evanir Verri, de 48 anos, que atende pelo apelido de Vanda. É ela a mãe dos três filhos do jogador: Gabriela, de 23 anos, Lucas, de 21, e Matheus, que faz 3 no mês que vem (a gravidez do caçula pegou a família de surpresa, já que Vanda estava entrando na menopausa!).

Apesar da fama de turrão, costuma tomar chimarrão com os seguranças da rua em que mora, na Zona Sul de Porto Alegre, arruma o jardim de sua casa e tolera com bom humor os pedidos de convocações feitos pelas crianças da vizinhança. Sofisticado, Dunga fala inglês, alemão, italiano e espanhol, gosta de tomar vinho cabernet sauvignon chileno e beliscar porções de queijo camembert, além de adorar comida japonesa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário